5 ações de sustentabilidade para sua empresa

0 286

A sustentabilidade é um termo bastante popular na contemporaneidade. O conceito teve origem associada à Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, realizada em Estocolmo, na Suécia, em 1972.

De maneira geral, a sustentabilidade diz respeito ao modo como devemos agir em relação à natureza, tendo o objetivo de conservar o processo de desenvolvimento da sociedade, ao mesmo tempo em que se preserva os recursos naturais.

Muitas pessoas, quando ouvem falar de sustentabilidade, logo associam o conceito à emissão de gases na atmosfera e o efeito estufa. 

No entanto, o conceito vai muito além disso: ele se refere às formas de exploração do meio ambiente, de modo sustentável, para que as futuras gerações também possam usufruir dos recursos da natureza.

Por isso, o termo sustentabilidade tem sido, aos poucos, substituído por “desenvolvimento sustentável”, que engloba o tripé: social, econômico e ambiental. 

Com isso, é possível garantir ações sustentáveis para o desenvolvimento da sociedade e preservação do meio ambiente.

Neste artigo, vamos abordar 5 maneiras de incorporar a sustentabilidade na sua empresa. Continue lendo!

1. Use produtos biodegradáveis

Os produtos biodegradáveis são compostos por materiais orgânicos que se decompõem facilmente no meio natural, devido à ação de bactérias.

Entre os exemplos mais comuns, destacam-se os detergentes biodegradáveis, que podem ser usados em lava louça industrial para restaurante, bem como em outros equipamentos de limpeza.

Além da rápida decomposição, os produtos biodegradáveis contribuem para a redução do lixo, poluição do solo, das águas e do ar. 

Afinal, os materiais orgânicos não causam impactos na natureza, principalmente quando comparados aos metais pesados.

Fora os detergentes, é possível encontrar uma série de produtos biodegradáveis no mercado, como os abrasivos industriais, usados para a limpeza de superfícies.

Para saber se um produto é realmente biodegradável, deve-se observar o selo de certificação ambiental na embalagem, que garante o cumprimento de todas as medidas de respeito ao meio ambiente.

2. Dispense os itens descartáveis

Os copos descartáveis já são velhos conhecidos das empresas. Normalmente, eles são colocados ao lado de bebedouros de água ou máquinas de café, para que os colaboradores, parceiros e clientes possam se servir da bebida e, posteriormente, descartar os copos.

Contudo, os copos de plástico são grandes vilões da natureza, muito por conta do longo tempo de decomposição (entre 250 e 400 anos).

De acordo com dados do Programa Ambiental da ONU (Organização das Nações Unidas), os produtos descartáveis de plástico, como garrafas, sacos, embalagens de comida, copos e talheres formam a maior parte do lixo dos oceanos. Em alguns locais, esses itens são mais de 80% do lixo marinho.

O relatório “Solucionar a Poluição Plástica”, elaborado pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF), mostrou que o Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos, China e Índia. Portanto, é uma urgência pensar na redução do consumo de descartáveis.

Ao todo, são mais de 11.355.220 milhões de toneladas de lixo plástico por ano. Isso equivale a 1 kg de lixo plástico por semana, por cada brasileiro.

Além do mais, os materiais descartáveis são pouco reciclados no Brasil. Somos o país que menos recicla este tipo de lixo: apenas 1,2% é reciclado, ou seja, 145.043 toneladas. Mais de 1 milhão de toneladas de lixo plástico não é recolhida.

Muito disso é por conta do baixo custo de mercado, pois a média de pagamento é de R$0,20 pelo kg do copo.

A consequência disso é que os descartáveis vão para os aterros sanitários e lixos convencionais, ou, até mesmo, voltam para a natureza, impactando o solo, rios, lagos e mares.

Uma alternativa é pedir que os colaboradores tragam copos reutilizáveis para empresa, ou mesmo fornecer o produto aos funcionários. 

Para evitar a troca de copos, pode-se usar etiquetas com impressão adesivo vinil, com o nome personalizado de cada profissional.

Mais do que reduzir o dano causado pelos descartáveis, o uso de copos e materiais reutilizáveis é benéfico, pois:

  • Mesmo quando descartados, eles têm um reaproveitamento maior;
  • Não possuem a substância Estireno, que é prejudicial à saúde;
  • Podem servir como promotores da marca, quando personalizados;
  • Ajudam na formação da consciência sustentável dos colaboradores.

Outra solução inclui o uso de materiais biodegradáveis de PLA (a base de amido de milho) ou de PS (poliestireno), que são menos impactantes para o meio ambiente.

3. Opte por materiais reciclados

Atualmente, é possível encontrar uma série de materiais e artigos confeccionados à base de reciclados. 

Um exemplo é o cartão de visita laminado, que pode ser feito com papel reciclável, ou, ainda, com o reaproveitamento de plástico.

A reciclagem consiste em um processo de transformação em que há mudanças nos estados (físico, químico e biológico) de um material, de modo que se torne novamente matéria-prima ou produto. 

O procedimento é feito em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e demais normas de reciclagem.

Mais do que cartões e papéis, uma série de objetos pode ser confeccionada à base de material reciclado. 

Por exemplo, uma escada pré moldada reta pode usar como matéria-prima madeiras de reflorestamento ou que foram transformadas após o descarte, bem como metais reciclados.

Além de ajudar a natureza, a reciclagem é uma excelente forma de economizar dinheiro, já que os produtos reciclados têm um preço muito mais acessível. Com isso, a sua empresa pode reduzir custos e ter uma melhor lucratividade.

A empresa também pode incentivar projetos de reciclagem e a coleta seletiva dentro da organização.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil conta com duas formas de coleta seletiva:

a de porta-a-porta e a coleta por Pontos de Entrega Voluntária (PEVs).

No primeiro caso, a coleta é feita por um prestador do serviço público de limpeza e manejo dos resíduos sólidos, de instituições públicas ou privadas, por associações ou cooperativas de catadores de materiais recicláveis.

Não se pode esquecer também da reciclagem de resíduos específicos, como as lâmpadas fluorescentes que contêm mercúrio, e o lixo eletrônico (e-lixo). Nesses casos, é preciso levar os materiais em pontos de coleta.

O Brasil ocupa a liderança entre os países latino americanos que mais produz lixo eletrônico, e é o sétimo país a nível mundial. 

Anualmente, são mais de 1,5 mil toneladas, entre computadores, celulares, tablets, impressoras e, até mesmo, drones – que, muitas vezes, são descartados de modo indevido.

4. Elabore projetos de reutilização da água

Nos últimos anos, muito se discutiu a respeito da crise hídrica do mundo. Aliás, esse é um dos temas mais importantes na pauta de desenvolvimento sustentável, pois grande parte da água do mundo não é potável.

Assim, com o recurso cada vez mais escasso e caro, percebeu-se a necessidade de pensar em alternativas para minimizar o gasto hídrico.

A Resolução 54 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos define as diretrizes necessárias para os processos de reutilização da água. 

Entre as soluções, há as formas corretas de captação da água da chuva, para uso em atividades como limpeza de maquinário, irrigação de plantas ou lavagem de pátios.

Além disso, a água reutilizada é aplicável em processos industriais e na construção civil, como em tarefas de quebra de piso e higienização de insumos.

Por exemplo, empresas que precisam do serviço de aluguel de rompedor, provavelmente realizam a quebra de concreto – atividade que pode demandar o uso de recursos hídricos. Essa é uma oportunidade de optar pela água reutilizada.

Vale ressaltar que os sistemas de coleta e aproveitamento de águas pluviais são fundamentais para as ações de conservação de água e de educação ambiental. 

Ademais, eles também contribuem para a redução do escoamento superficial, evitando a ocorrência de inundações.

5. Faça manutenção periódica dos sistemas 

Grande parte da eletricidade do Brasil é oriunda de hidrelétricas. Aos poucos, algumas empresas e residências estão optando pela energia solar, como forma alternativa e ecologicamente correta.

Mas, se a sua organização ainda não instalou placas fotovoltaicas, uma maneira de contribuir para o desenvolvimento sustentável é com a manutenção elétrica predial de toda a estrutura.

Através da verificação do sistema elétrico, é possível perceber falhas em toda a rede, bem como erros que possam contribuir para o aumento do consumo de energia.

Mais do que evitar o desperdício energético, a manutenção dos sistemas elétricos contribui para a redução de custos da empresa.

Importante destacar que não apenas os sistemas elétricos merecem atenção. Todo o conjunto mecânico, até mesmo a embreagem eletromagnética de um caminhão de carga, deve passar por análises periódicas.

As vantagens são inúmeras, incluindo a redução de acidentes, a diminuição do consumo, o aumento da vida útil dos equipamentos e a melhor funcionalidade dos sistemas.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.